quinta-feira, fevereiro 02, 2006


Jame Fotopoulos é um dos maiores nomes do cinema independente americano. James possui uma visão
louca da realidade expressada muitas vezes metafóricamente em seus feios e profundos personagens. Sempre em situações de
solidão, tristeza, amor e morte.

Fotopoulos com 30 anos ja realizou mais de 60 filmes, curtas, média e longa metragem, na sua maioria em digital e 16mm, hoje
um defensor do cinema digital trabalhando com baixíssimos orçamentos busca a liberdade e inovação criativa em todos seus
filmes.

Apesar da extensa filmografia é o cineasta mais difícil de ser assistido, os mais conhecidos além de Migrating são Back Against the Wall, Drowning e Christabel na gigantesca coleção. Esses podem ser encontrados em site americanos, ainda não lançado no Brasil.

Migrating Forms conta a história de um homem que vive com seu gato em um pequeno e sujo quarto. Ele tem esses encontros
sexuais com uma estranha mulher, com quem pretende criar uma rotina sexual sem sentimento ou emoções, separando a mente do corpo.

Com o tempo ela desenvolve uma ferida gitante nas costas que não para de se espalhar e crescer, marrom e grossa. O estranho relacionamento lhe rende
uma mordida que se transforma em uma ferida nojenta semelhante a dela.

Fotopoulos filma a intoxicação que causamos uns aos outros na nossa estranha convivência e uma visão única do amor com cenas
angustiantes de sexo anti-sensual.

Captado em 16mm em preto e branco com mono sound o filme sofre com as críticas dos amantes de Hollywood que se deparam com um
filme inovador, real que realmente tem algo significativo a dizer. Recomendado para admiradores de Cronenberg, Lynch, e
Kafka.

Migration Forms ganhou o prêmio de melhor filme no 2000 New York Underground Film Festival.

d.hayashi


Elenco: Rebecca Lewis e Preston BatyDiretor: James FotopoulosRated: Not Rated Studio: Facets Gênero: Independent, Experimental/Avant-GardeDuração: 80 MinutesIdioma: English